sábado, 16 de abril de 2011

Como a ciência busca por inteligência extraterrestre?


Por: Revista Mundo Estranho
Mais ou menos do mesmo jeito que você tenta sintonizar uma estação radiofônica. Os cientistas também procuram captar ondas de rádio, só que vindas do espaço. E com antenas superpotentes: os chamados radiotelescópios, capazes de captar bilhões de sinais ao mesmo tempo. Aí, então - no meio da chiadeira produzida por corpos celestes, satélites e outras transmissões terráqüeas -, eles tentam encontrar algo que se pareça com uma mensagem enviada por ETs inteligentes. Isso é basicamente o que faz o pessoal do instituto americano Seti (sigla para Search for Extraterrestrial Intelligence, ao pé da letra, "busca por inteligência extraterrestre"). O problema é que nossa tecnologia ainda é muito atrasada para captar o que poderia ser uma transmissão de informação entre, digamos, Alpha e Beta Centauro.
Telescópio de Arecibo em Porto Rico
O que dá para fazer é buscar por sinais que os extraterrestres teriam enviado de propósito, como se tentassem dizer "oi, estamos aqui!" em uma língua universal. Mas que linguagem seria essa? Para os pesquisadores do Seti, só poderia ser a da química. Assim, os alienígenas talvez enviassem sinais indicando, por exemplo, a presença de água em seu planeta. Como os elementos da água vibram em freqüências específicas (1,42 e 1,72 gigahertz), supõe-se que ETs transmitiriam mensagens para cá usando essa faixa. Outra estratégia é vasculhar as sintonias mais finas possíveis. Como as estrelas e outros corpos não produzem sinais abaixo de 300 hertz, essa faixa seria uma boa pista. "Também procuramos sinais que piscam sem parar e poderiam indicar um emissor inteligente", diz o astrônomo Seth Shostak, do Seti. O instituto ficou famoso com o filme Contato (1997), em que o personagem de Jodie Foster chega a usar fones de ouvido para buscar sinais de ETs - e encontra! Mas, no Seti real, as coisas não são bem assim.
A varredura é feita exclusivamente por computadores. E você pode emprestar o seu. É que, para separar o joio (as interferências mais manjadas) do trigo (sinais, a princípio, de origem desconhecida) são necessários inúmeros cálculos. Aí que você entra. No site setiathome.ssl.berkeley.edu dá para baixar um programa que usa o tempo ocioso do seu computador para ajudar as máquinas do Seti a fazer esses cálculos.

Auxílio digital


Ondas captadas do espaço são analisadas em computador antes de serem estudadas pelos cientistas
Os sinais recebidos pelos radiotelescópios aparecem da forma ao lado nas telas dos computadores. O sistema utiliza um software que também pega carona em radiotelescópios dedicados a outros projetos científicos.
Os três picos (no centro e nas extremidades) representam interferências conhecidas pelos astrônomos do Seti. O software utilizado infere que essas ondas não vieram de ETs
O mesmo gráfico reaparece aqui, só que com as interferências conhecidas já descartadas. As ondas restantes serão, então, estudadas mais a fundo pelos cientiestas.

Gigantesco ouvido eletrônico


Radiotelescópio é a ferramenta básica do Seti
Uma rede de cabos de aço sustenta a plataforma superior, que pesa 900 toneladas
O refletor de 305 metros de diâmetro capta ondas vindas do espaço. Ele é o mais sensível construído até hoje
Na plataforma, ficam antenas que orientam a direção para a qual a máquina deve buscar sinais. Daqui os sinais recebidos pelo refletor são enviados para os computadores

Um comentário:

  1. hey,
    Bom dia!
    Gostei do seu blog, vou colocá-lo no meu blog roll.
    Passe no meu que é http://2012umnovodespertar.blogspot.com
    Vamos trocar ideías.
    Me chamo Daniel

    ResponderExcluir

Não serão permitidos comentários de baixo calão ou palavras levianas que possam incomodar e atrapalhar um trabalho sério como a Ufologia e a Astronomia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...